segunda-feira, 3 de agosto de 2020

Wennder Robert Rocha: Covid atinge o coração e se Mantém mesmo depois Re...

Wennder Robert Rocha: Covid atinge o coração e se Mantém mesmo depois Re...: Periódico 'Jama Cardiology' publicou duas pesquisas que relacionam os efeitos do coronavírus Sars CoV-2 no miocárdio. Pesquisadores...

Covid atinge o coração e se Mantém mesmo depois Recuperação

Periódico 'Jama Cardiology' publicou duas pesquisas que relacionam os efeitos do coronavírus Sars CoV-2 no miocárdio. Pesquisadores investigam risco de futuras complicações cardíacas.

Por Portal Poliglotas em 27/07/2020 às 22:27:38
0:00
0:00
Dois estudos publicados nesta segunda-feira (27) avançam em evidências relacionadas aos efeitos do coronavírus Sars CoV-2 sobre o tecido do coração. Um deles, realizado com autópsias de 39 pacientes, mostra a presença do vírus no miocárdio em 60% dos casos. O outro estudo, que conta com 100 pacientes recuperados de Covid-19, mostrou que, em 78%, houve uma inflamação diagnosticada por ressonância magnética, mesmo semanas após a recuperação.
Os dois artigos chamam a atenção para a importância de um acompanhamento cardiológico durante e após a infecção por Covid-19. A "Jama Cardiology", revista que publicou as pesquisas, escreveu um editorial sobre o assunto, ressaltando a importância de os pesquisadores de todo o mundo continuarem a analisar os efeitos da Covid-19 no sistema cardiovascular.
Roberto Kalil, cardiologista e presidente do Instituto do Coração, em São Paulo, explica ao G1 que muitas doenças virais podem atingir o coração causando quadros inflamatórios – denominados como "miocardite", mas afirma que o novo coronavírus atinge o sistema cardiovascular com mais frequência, muitas vezes deixando sequelas nos pacientes. Complicações como arritmias, infarto agudo, insuficiência cardíaca e tromboembolismo, por exemplo.
Kalil dá destaque aos resultados do segundo estudo. Em um tempo médio de 71 dias após a infecção, 100 pacientes passaram por ressonância para avaliar a saúde cardíaca. Após mais de dois meses, 78% ainda apresentavam inflamação no coração.
"Isso é muito importante. As complicações cardiovasculares precisam ser vistas com atenção. O vírus pode afetar qualquer estrutura do coração causando inflamação e trombose nos vasos e tecidos. Os autores mostram claramente que há comprometimento do músculo do coração, e que pode ser persistente semanas após a recuperação", explicou.
O cardiologista explica que há chance de desenvolvimento de insuficiência cardíaca a longo prazo. "O que este estudo chama a atenção é que o paciente está há dois meses sem a infecção, mas mesmo assim ainda tem a inflamação no músculo do coração. Assim, em alguns casos, o músculo cardíaco pode enfraquecer, causando a insuficiência cardíaca", afirma Kalil.
Em entrevista à agência de notícias Reuters, Valentina Puntmann, autora principal do segundo estudo, afirmou que em alguns pacientes o coração pode ser "gravemente afetado com a ação da Covid-19".
A pesquisadora do Hospital Universitário de Frankfurt, na Alemanha, reconheceu que ainda falta avançar nos estudos para avaliar se há "evidências diretas" de que a Covid possa enfraquecer o coração de um paciente recuperado.
"É possível que, em poucos anos, esse efeito seja mais significativo, baseado naquilo que já conhecemos sobre outras doenças virais", disse Valentina Puntmann.
Fonte: G1

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Veja O Novo Calendário Regras Eleitoral 2020 Aprovado Pela Câmera


A Câmara aprovou nesta quarta-feira (1º) a proposta de emenda à Constituição que adia de outubro para 15 e 29 de novembro a realização do primeiro e do segundo turno das eleições municipais (veja o que muda mais abaixo).  A sessão do Congresso de promulgação está marcada para a quinta-feira (2), às 10h.

O texto, já aprovado anteriormente pelo Senado, faz um rearranjo em todo o calendário eleitoral e admite a possibilidade de a votação ocorrer em data posterior, desde que até 27 de dezembro, por impossibilidade organizacional decorrente da pandemia de covid-19.

A PEC passou em primeiro turno  por 402 votos a 90 em segundo turno por 407 votos a 70. O relator na Câmara, Jonathan de Jesus (Republicanos-RR), manteve o texto do Senado.

Segundo definido pelo relator no Senado, Weverton Rocha (PDT-MA), o texto prevê as datas do pleito em novembro primeiro turno e dezembro o segundo. A programação inicial era de realização das eleições em 4 e 25 de outubro.

No primeiro turno o PL e PSC foram os únicos partidos a orientarem contrários à votação na Câmara. O Pros liberou a bancada. No segundo turno, o PL foi o único partido a orientar contrário.

Um destaque foi aprovado para tirar poder do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na definição de datas da eleições suplementares durante a pandemia. Como foi um ajuste de redação, a matéria não necessita ser votada de novo pelos senadores.

Veja as principais datas:

Vedação de propaganda partidária – 11 de agosto

Proibição de aparição de apresentadores ou comentaristas pré-candidatos em programas de rádio e TV – 11 de agosto (pela regra atual, esse prazo teria se encerrado ontem, 30 de junho).

Escolha dos candidatos pelos partidos e formação de coligações – de 31 de agosto a 16 de setembro (atualmente, 20 de julho a 5 de agosto).

Registro de candidaturas – até 26 de setembro (15 de agosto, pelas regras de hoje).

Convocação, pela Justiça eleitoral, dos partidos e dos representantes das emissoras de televisão para elaborar plano de mídia – a partir de 26 de setembro (pelo calendário do TSE, seria em 16 de agosto)

Início da propaganda eleitoral, inclusive na internet – 27 de setembro (hoje, 16 de agosto)

Início da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão relativa ao primeiro turno – 9 de outubro até 12 de novembro (pelas regras atuais seria de 28 de agosto a 1º de outubro)

Divulgação, pelos partidos políticos, coligações e candidatos, de relatório discriminando as transferências do Fundo Partidário, os recursos recebidos e os gastos realizados – 27 de outubro (atualmente, 15 de setembro)

Votação em primeiro turno – 15 de novembro (pelo atual calendário, 4 de outubro)

Votação em segundo turno – 29 de novembro (pelo atual calendário, 25 de outubro)

Encaminhamento à Justiça eleitoral das prestações de contas dos candidatos e dos partidos políticos – até 15 de dezembro (calendário atual prevê a data de 14 de novembro)

Diplomação dos candidatos eleitos – até 18 de dezembro (mesma data atual).

Eleições suplementares (na impossibilidade de a votação ocorrer nas datas previstas, municípios poderão adiar a data da eleição) – até 27 de dezembro

Posse de prefeitos – 1º de janeiro de 2021 (mesma data prevista)

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Como ficarão os novos prazos da eleição 2020 com a mudança do pleito para 15 de novembro

Como ficarão os novos prazos da eleição 2020 com a mudança do pleito para 15 de novembro

A matéria segue agora para análise da Câmara dos Deputados.

O Plenário do Senado aprovou em votação remota o adiamento para os dias 15 e 29 de novembro, do primeiro e do segundo turnos, respectivamente, das eleições municipais deste ano, inicialmente previstas para outubro, em decorrência da pandemia de coronavírus.

O texto aprovado nesta terça-feira (23) foi um substitutivo do senador Weverton (PDT-MA) à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 18/2020. A matéria segue agora para análise da Câmara dos Deputados.
Com a previsão das eleições ainda para este ano, fica garantido o período dos atuais mandatos. A data da posse dos eleitos também permanece inalterada. Prefeito, vice-prefeito e vereadores têm mandato de quatro anos e tomam posse em 1º de janeiro.
A proposta torna sem efeito — somente para as eleições municipais deste ano — o artigo 16 da Constituição, segundo o qual qualquer lei que alterar o processo eleitoral só se aplicará à eleição que ocorrer após um ano de sua vigência.
O senador Weverton explicou que as eleições foram adiadas por 42 dias e com isso também os prazos do calendário eleitoral que estão por vencer:
— Em se confirmando esse texto na Câmara dos Deputados e virando lei, nós vamos manter o mesmo calendário eleitoral previsto para as eleições de 4 de outubro. Ou seja, o período de rádio e TV é o mesmo, o período de Internet é o mesmo, da convenção até o dia da eleição é o mesmo, nós fizemos apenas umas adaptações quanto ao calendário pós eleição por conta do tempo. Mas todos têm de ficar bastante atentos porque não houve aumento de tempo de TV, todos os tempos são os destinados na legislação.

Convenções e campanhas

As emissoras podem transmitir programas apresentados ou comentados por pré-candidatos até 11 de agosto. A partir dessa data, esse tipo de transmissão fica proibido.
A PEC define também o período entre 31 de agosto e 16 de setembro para a realização das convenções para escolha dos candidatos pelos partidos e a deliberação sobre coligações.
Até 26 de setembro, partidos e coligações devem solicitar à Justiça Eleitoral o registro de seus candidatos.
Após 26 de setembro, inicia-se a propaganda eleitoral, inclusive na internet. A Justiça Eleitoral convocará os partidos e a representação das emissoras de rádio e de televisão para elaborarem plano de mídia.
Partidos políticos, coligações e candidatos devem, obrigatoriamente, divulgar o relatório discriminando as transferências do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, os recursos em dinheiro e os estimáveis em dinheiro recebidos, bem como os gastos realizados em 27 de outubro.
Vai até 15 de dezembro o prazo para o encaminhamento à Justiça Eleitoral do conjunto das prestações de contas de campanha dos candidatos e dos partidos políticos e comitês, relativos ao primeiro e, onde houver, ao segundo turno das eleições.
A diplomação dos candidatos eleitos ocorrerá em todo o país até o dia 18 de dezembro.

PEC

Por acordo de líderes, os dois turnos da proposta de alteração do calendário eleitoral foram votados na mesma sessão. Na tramitação normal de uma PEC, o intervalo entre as votações é de, no mínimo, cinco dias. A matéria também passará por dois turnos na Câmara.
O relatório do senador Weverton reuniu três propostas numa só: a PEC 18/2020, do senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP); a PEC 22/2020, de José Maranhão (MDB-PB); e a PEC 23/2020,da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES).
O relator ressaltou que a necessidade de isolamento social imposta atualmente à sociedade brasileira pode comprometer a realização do pleito, especialmente com eventos como as convenções partidárias e a própria campanha eleitoral. Weverton enfatizou que essa convicção é compartilhada por autoridades da área sanitária e especialistas da área eleitoral ouvidos em sessão temática promovida pelo Senado na segunda-feira (22), com a presença de senadores e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
— Face a todo esse quadro, fica claro que se impõe, então, o adiamento, que permitirá que possamos realizar com segurança e normalidade as próximas eleições, sem que seja necessária alteração do mandato dos atuais prefeitos, vice-prefeitos e vereadores ou daqueles a serem eleitos em 2020 — completou o relator.

TSE

Weverton ainda optou por autorizar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a promover os ajustes no cronograma eleitoral de acordo com a situação sanitária de cada município. A decisão se aplica, inclusive, ao estabelecimento de novas datas para o pleito, até o prazo limite de 27 de dezembro.
Isso inclui também o atendimento às sugestões de alguns senadores, como a do voto facultativo aos eleitores com mais de 60 anos, considerados integrantes do grupo de risco da covid-19, e a de ampliação dos horários de votação com a fixação de locais específicos como forma de reduzir a aglomeração de pessoas.
Já quando se tratar de um estado, no caso de as condições sanitárias não permitirem a realização das eleições nas datas previstas, a definição de novo dia para o pleito caberá ao Congresso Nacional, por provocação do Tribunal Superior Eleitoral, instruída com manifestação da autoridade sanitária nacional e após parecer da Comissão Mista da covid-19.

Nova data

A definição da nova data não foi consenso da maioria. Alguns senadores entendem que não há necessidade de adiar as eleições por acreditarem em uma queda no números de casos de contaminados até outubro. Já outros, como Rogério Carvalho (PT-SE), Soraya Thronicke (PSL-MS) e Rose de Freitas sugeriram que a votação seja adiada para dezembro.
Ciro Nogueira (PP-PI), Alvaro Dias (Podemos-PR) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), entre outros, defenderam a suspensão das eleições deste ano e a prorrogação dos atuais mandatos para coincidência de pleitos em 2022.
— O adiamento apenas por 30 dias não vai resolver essa situação. A campanha já começou, nós vamos apenas estender o tempo dessa campanha. O melhor é não ter essa eleição porque vai prejudicar a população, nós vamos perder vidas nessa eleição. Eu defendo que nós adiemos para 2022, é o mais sensato, é o melhor — declarou Ciro Nogueira.
Para o senador Randolfe Rodrigues, essa medida violaria uma cláusula pétrea e seria como “se aproveitar do vírus” para prorrogar mandatos.
Em resposta, o relator ressaltou que a unificação das eleições é tema de reforma política e não está em discussão no momento.
— Neste momento, a matéria é o adiamento das eleições, em torno do qual a República se reuniu. A minha tarefa foi definir uma regra para esse adiamento. Se amanhã, porventura, com todas as opções que foram dadas, não der certo, e se a República entender que prorroguemos os mandatos, isso tem que ser um grande acordo, com “a” maiúsculo e não com “c” de casuísmo — destacou o senador Weverton.
Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
Fonte: Agência Senado

segunda-feira, 8 de junho de 2020

Vacina contra Covid-19 Pode Chegar em Setembro no Brasil



AstraZeneca começa a fazer vacina em escala este mês, diz CEO no Brasil

Primeiras doses chegarão em setembro; companhia realizada teste clínico da vacina Oxford no Brasil, com 2.000 voluntários

A companhia farmacêutica AstraZeneca, que firmou um acordo para produzir e distribuir a vacina do novo coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford, se prepara para iniciar a produção da vacina em escala entre o final de junho e o início de julho.
“Nosso plano é produzir globalmente a vacina entre o final deste mês e o início de julho, em escala. Se fizermos isso teremos 400 milhões de doses iniciais no final de setembro, começo de outubro” disse o presidente da AstraZeneca do Brasil Fraser Hall em entrevista à EXAME.
As doses chegarão, portanto, antes do encerramento do teste clínico com a vacina, que tem duração de um ano. A vacina desenvolvida pela universidade está em fase 3 de teste, que deve envolver 50 mil pessoas, sendo pelo menos 2.000 pessoas no Brasil. Outras 10.000 pessoas serão testadas no Reino Unido, e 30.000 nos Estados Unidos. Também devem participar do teste países da África e da Ásia, ainda não confirmados.
A AstraZeneca tem mantido conversas com o Ministério da Saúde para definir quantas doses da vacina serão fornecidas ao Brasil e quando essas doses chegarão. Dentre os temas a serem definidos está a forma como as vacinas chegarão até o Brasil. Uma das possibilidades em discussão é que as doses sejam produzidas no país.
Dentre as instituições que teriam condições de produzir a vacina estão o Instituto Butantã, em São Paulo, e a Fiocruz, no Rio de Janeiro. As doses usadas no teste clínico estão sendo produzidas na Europa. A AstraZeneca tem uma fábrica em Cotia, São Paulo, nesse momento reforça os valores centrais da nossa companhia, que são o paciente em primeiro lugar e a proximidade com a ciência. Nossos funcionários estão muito orgulhosos de poder auxiliar a população brasileira”, afirma Hall.
A AstraZeneca tem um acordo de licenciamento com a Universidade de Oxford, pelo qual a companhia tem a responsabilidade de produzir a vacina desenvolvida pela universidade, e o compromisso de vender a vacina sem gerar lucro durante a pandemia. A vacina é uma das mais promissoras contra a covid-19, e uma das poucas que já está sendo testada em humanos.
O governo americano vai investir 1,2 bilhão de dólares na farmacêutica para garantir o fornecimento da vacina no país. Pelo acordo, o governo norte-americano vai bancar um teste da vacina em 30.000 pessoas no país.
O governo britânico também se comprometeu a pagar 65,5 milhões de libras à AstraZeneca para garantir 100 milhões de doses da vacina aos britânicos. A AstraZeneca está em negociações com outros governos e entidades internacionais.

Teste no Brasil

O estudo com a vacina no Brasil foi liberado pela Anvisa na terça-feira, 2. O estudo será randomizado e terá como objetivo determinar a segurança e eficácia da vacina. Os estudos iniciais para a vacina foram realizados na Inglaterra e os resultados demonstraram que o perfil de segurança da vacina foi aceitável.
O recrutamento de voluntários para o teste no Brasil deve começar nas próximas semanas. Assim que começar, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que lidera o teste, vai divulgar contatos para os interessados em participar no estado.
Serão recrutadas pessoas que atuem na linha de frente do combate à covid-19 ou estejam mais expostas o vírus, como profissionais de saúde, motoristas de ambulância e pessoas que trabalhem na manutenção de hospitais. O voluntário precisa ter entre 18 e 55 anos e não pode ter sido infectado pelo novo coronavírus

domingo, 7 de junho de 2020

H1N1: Nova Fase da Campanha de Vacinação Será Nesta Segunda (08)





Na segunda (8) e terça (9), vacinam somente pessoas cujos nomes começam com as letras A, B, C e D. De 10 a 12 deste mês, será a vez das pessoas que se enquadram nos nomes iniciados E, F e G. Nos dias 15 e 16, pessoas cujos nomes começam com as letras H, I e J. Nos dias 17 e 18, pessoas cujos nomes começam com K, L e M. Dias 19 e 22, pessoas cujos nomes começam com as N, O e P; dias 23 e 24 – pessoas cujos nomes começam as letras Q, R, S e T e dias 25 e 26 – pessoas cujos nomes começam letras U,V, X, W, Y e Z
Horários diferenciados também serão mantidos. Das 8h ao meio-dia, as vacinas serão ofertadas aos profissionais das forças de segurança, às pessoas com deficiência física, auditiva, visual, intelectual e múltipla e aos chamados retardatários. À tarde (das 13h às 17h) será a vez dos caminhoneiros, dos profissionais do transporte coletivo e dos portuários.
Ao todo, a Semus ofertará – de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h – 42 postos de vacinação e quatro unidades de ensino da rede pública. Os locais estão disponíveis no portal da Prefeitura de São Luís (saoluis.ma.gov.br) e abaixo.
Ordenamento alfabético
Dias 8 e 9 – Pessoas cujos nomes começam pelas letras A, B, C e D
Dias 10 e 12 – Pessoas cujos nomes começam com as letras E, F e G
Dias 15 e 16 – Pessoas cujos nomes começam com as letras H, I e J
Dias 17 e 18 – Pessoas cujos nomes começam com as letras K, L e M
Dias 19 e 22 – Pessoas cujos nomes começam com as N, O e P
Dias 23 e 24 – Pessoas cujos nomes começam as letras Q, R, S e T
Dias 25 e 26 – Pessoas cujos nomes começam letras U,V, X, W, Y e Z
 LOCAIS DE VACINAÇÃO
UNIDADES DE SAÚDE
1.       Centro de Saúde Dr. Paulo Ramos – Rua do Passeio, 236 – Centro
2.       CTA Lira (atendimento específico) – Praça São Roque Lira, S/N – Lira
3.     U.M Itaqui-Bacanga – Avenida dos Portugueses
4.       C. S. Clodomir P. Costa –  Av. Odilo Costa Filho, S/N – Anjo da Guarda
5.       C. S. Valdecy Eleoteria Martins (Paraíso) – Av. Sarney Filho – Vila Embratel
6.       C. S Yves Parga – BR 135, S/n – Vila Maranhão
7.       C.S. Vila Nova – Praça Raimundo de Sousa Gomes, S/N – Vila Nova
8.       Hospital Aquiles Lisboa – R. José Sarney, s/n – Bonfim
9.       C.S. da Vila Embratel – Rua 14 S/N – Vila Embratel
10.       C.S. do Gapara – Rua Projetada S/N Gapara
11.   C.S Bairro de Fátima  – Rua Ademar de Barros, S/N – Bairro de Fátima
12.   U.M Coroadinho  – Rua da Vitória, S/N – Coroadinho
13.   C.S. Dr. Antônio Guanaré – Rua da Vitoria – Coroadinho
14.   U.M. Bequimão – Av. do Contorno s/n Bequimão
15.   C.S. Amar – Rua Deputado Luís Rocha, S/N – Vicente Fialho
16.   C.S. Radional – Rua G, S/N – Radional
17.   C.S. Vila Lobão – Estrada da Vitória, Nº 8 – Vila Lobão
18.   C.S. João de Deus – Rua Gardênia Ribeiro Gonçalves, S/N – João de Deus
19.   U.M. São Bernardo – Rua São Benedito, Nº 185 – São Bernardo
20.   C.S Santa Bárbara – Rua Principal, Nº 180 – Santa Bárbara
21.   PS Coquilho – Avenida Principal 10 A, 10 – Vila Coquilho
22.   C.S. Drª Nazaré Neiva – Rua 15, Nº 01 – São Raimundo
23.   USF Maria Ayrecila II – Rua 16, Qd 82, Bloco C, S/N – Cidade Olímpica
24.   USF Jailson Alves III – Rua 7, Qd 83, Casa 1 – Cidade Olímpica
25.   USF Santa Clara – Rua Lucy Sarney, S/N – Santa Clara
26.   USF Santa Efigênia – Rua Tancredo Neves, S/N – Santa Efigênia
27.   USF Pirapora – Rua 3, Qd B, S/N – Tirirical
28.   C.S. Vila Janaina – R. da Saudade, 148 – Cidade Operária
29.   UBS Dr. Expedito Alves de Melo – Av. 4, Qd 36, Casa 11 – Cidade Olímpica
30.   C.S Cohab – Anil – Rua 04, S/N – IV Conj. Cohab – Anil
31.   C.S Salomão Fiquene – Av. Leste Oeste, S/N – Cohatrac
32.   C.S Djalma Marques – Av. Celso Coutinho, S/N – Ipem Turu
33.   CTA Anil (atendimento especifico) – Av. São Sebastião, S/N – Anil
34.   C.S. Itapera – Rua Principal, Nº 31 – Itapera
35.   C.S. Quebra Pote – Praça do Cemitério, S/N – Quebra Pote
36.   C.S. Pedrinhas I – BR 135, Km 12, Nº 26 – Pedrinhas
37.   C.S. Pedrinhas II – Rua da União, S/N – Pedrinhas
38.   C.S. Tibiri – Rua Santo Antonio, S/N – Tibiri
39.   C.S. Maracanã – Estrada da Vitória, S/N – Maracanã
40.   USF Coqueiro – Rua da Vitória, S/N – Coqueiro
41   C.S. Mª de Lourdes Rodrigues (Rio Grande) – Rua Bom Jardim, 385- Rio Grande
42.   C.S Vila Itamar – Rua do Fio, S/N – Vila Itamar
ESCOLAS 
1.       Escola Militar Tiradentes –  Rua Gabriela Mistral, Vila Palmeira
2.       C.E Nascimento de Moraes  – Avenida 3, Vinhais
3.       UEB Felipe Conduru  – Avenida Guajajaras, 115
4.       UEB Frederico Chaves  – Rua Presidente Dutra, São Franc